Campanha “Estupro é tortura” visa o fim da cultura do estupro e a banalização sobre a temática

Entidades e coletivos de Santa Maria lançaram a campanha “Estupro é tortura”, em resposta à fala do médico Eduardo Rolim em um programa de debate ao vivo de uma rádio local, em 27 de abril, que insistiu em comentários que inocentam os homens, justificam e culpabilizam as mulheres vítimas de estupro.

Na ocasião, a única mulher presente no programa, a advogada Ingrid Fuchs, alertou que o médico estava justificando o estupro e que para ela “estupro é tortura”, lembrando que esse também é utilizando como arma de guerra, como foi na ditadura militar. O médico foi persistente em suas afirmações, revoltando e mobilizando a comunidade local que o criticou ferozmente, levando inclusive ao afastamento do programa.

A comunidade sensibilizada além de se reunir e função da nota lança campanha e planeja discutir conjuntamente mais sobre ações educativas que possam vir por fim a cultura do estupro.

O primeiro vídeo da campanha reúne 56 pessoas repetindo a mesma frase utilizada pela advogada.

Fonte: Campanha pelo Fim da Cultura do Estupro

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

5 + 12 =